fbpx Skip to main content

Atualmente, os investimentos sustentáveis ​​desempenham um papel relevante para as próximas gerações, as questões que mais preocupam têm a ver com o cuidado com o meio ambiente, erradicando práticas discriminatórias e trabalhando para reduzir o fosso da desigualdade social.. Nessa perspectiva, assim como há um aumento de poupadores que decidem acompanhar essas decisões investindo em fundos socialmente responsáveis, também há empresas que tiveram que adaptar seu funcionamento a essa filosofia de captação de capital.

Foi assim que surgiram os princípios ESG (Ambiental, Social e de Governança), uma série de normas utilizadas por investidores socialmente responsáveis ​​como ferramenta para seu processo de tomada de decisão, uma vez que permitem às empresas avaliar a partir de seu impacto ambiental (Ambiental), social (Social) e governança corporativa (Governança).

Impacto ambiental

Este princípio dentro de investimentos sustentáveis está normalmente associado a questões como mudanças climáticas e sustentabilidade dos recursos naturais. Em termos de impacto ambiental, tem-se em consideração, por exemplo, o tratamento que as empresas dão aos animais, a gestão da energia e dos diferentes tipos de resíduos, ou o quão exata é a sua avaliação dos riscos ambientais e das medidas tomadas para controlá-los.

Impacto social

Nesse momento dentro de investimentos sustentáveis, busca avaliar elementos sobre as diversas relações que as empresas estabelecem em diferentes níveis, analisando se geram impactos positivos na comunidade, quais são as condições de trabalho de seus funcionários ou se seus fornecedores se pautam pelos mesmos valores, entre outros aspectos. Isso permite visualizar o espectro de atuação dessas empresas em seu entorno e sua vinculação com o resto da sociedade.

Governo corporativo

Já os princípios relacionados à Governança Corporativa estão muito mais voltados para as práticas dentro da empresa. Por exemplo, o olhar recai sobre como é a gestão de conflitos de interesses, a transparência contábil e o processo de tomada de decisão; bem como no controle de qualquer tipo de discriminação contra os colaboradores. Nos últimos tempos, dois temas que se tornaram muito relevantes são o interesse em divulgar os percentuais de bônus dos executivos seniores da empresa e a distribuição desses cargos por gênero.

Mas o enfoque desses princípios é ainda mais amplo e, em termos de organismos multilaterais, tanto o Banco Mundial quanto as Nações Unidas estão atentos ao tema. O primeiro adotou medidas importantes para estimular o desenvolvimento de investimentos socialmente responsáveis, por meio da oferta de produtos que se enquadrem nos critérios ESG. No caso da ONU, em 2005 ela criou o PRI, Princípios de Investimento Responsável, que incluiu 20 investidores institucionais de 12 países como forma de se comprometer com a implementação de questões ambientais, sociais e de governança corporativa em seus processo de investimento.

Em termos de estratégia de investimento, estes princípios funcionam como um componente adicional à análise financeira tradicional e permitem determinar quais os setores ou tipos de empresas mais adequados para o perfil e valores específicos que os investidores pretendem refletir na sua carteira. Assim, em termos de gestão ativa, quem investe procuraria empresas que sigam estes princípios, enquanto na gestão passiva as opções mais utilizadas são os ETFs que seguem índices ESG e os fundos mútuos com foco no investimento em empresas que aderem a esta perspectiva. Nesse ponto, vale ressaltar que ETFs, ou Exchange Traded Fund, são fundos estruturados de forma que se ofereçam para seguir um índice. Um exemplo específico é o ETF social Ishares MSCI KLD 400.

Gráfico 1. Elaboração da Análise de Gandini. Dados Bloomberg

 

Um dos índices mais representativos relacionados aos princípios ESG é o MSCI KLD 400, que é elaborado pela empresa MSCI. É realizado sob nomes diferentes desde 1990 e é composto por ações de 400 empresas nos Estados Unidos que cumprem esses princípios. O Gráfico 1 apresenta sua série desde julho de 2008, que permite avaliar o comportamento desde a última crise financeira até a situação derivada da pandemia de Covid-19. Percebe-se que houve uma tendência de crescimento do índice, o que mostra elevação dos preços das empresas que o compõem. A partir do final de 2017 e início de 2018, embora essa tendência tenha continuado, ela também se tornou mais volátil em meio ao aumento das tensões comerciais entre a China e os Estados Unidos.
Durante este ano, é evidente a queda que ocorre entre fevereiro e março, o que representou uma redução de 33% no seu valor, em meio às incertezas devido ao aumento dos casos Covid-19 e ao fechamento de setores da economia. No entanto, é importante destacar que até o dia 5 de agosto estava em 1.255 unidades, recuperando quase todo o terreno perdido. Embora o aumento do apetite no mercado de ações dos EUA tenha sido uma força constante de abril de 2020 em diante, e as ações KLD 400 tenham se beneficiado dessa dinâmica, a tendência histórica mostra um aumento estrutural neste tipo específico de ativos.

Títulos verdes

Outro ativo de investimento que têm sido aplicado em muitos países são os títulos verdes. São emissões de títulos com a particularidade de que os recursos obtidos devem ser utilizados para financiar projetos relacionados ao meio ambiente. Muitas vezes, esses títulos são atraentes porque possuem algum tipo de tratamento tributário diferenciado, mas para serem classificados como “verdes” eles devem ser verificados por uma entidade especial.

Gráfico 2. Elaboração da Análise de Gandini. Dados Bloomberg

 

Embora em 2009 o Banco Mundial tenha emitido o primeiro título verde, é a partir de 2016 que esses tipos de ativos ganham força e relevância no mercado internacional. O gráfico 2 mostra o comportamento do índice global Bloomberg Barclays MSCI Green Bond, o que nos permite observar o comportamento deste mercado ao longo do último ano, com uma queda semelhante à do gráfico 1 devido ao mesmo efeito de incerteza relativamente à Covid -19, mas também com a recuperação do terreno perdido voltando ao máximo, refletindo uma reativação de interesse nesta classe de ativos.

É claro que os princípios ESG têm tido muita força em investimentos sustentáveis. Em meio a esse contexto de Pandemia e pós-pandemia, em que os investidores estão reajustando não apenas suas expectativas, mas também sua forma de ver o mundo, esses postulados continuarão a se tornar cada vez mais relevantes e presentes na mente dos investidores. Por isso, é imprescindível continuar entendendo sua abrangência e evolução em um mundo que muda rapidamente e onde muitos buscam atuar com maior responsabilidade em investimentos sustentáveis..

Relatório elaborado pela Gandini Analysis for SupraBrokers apenas como conteúdo e em nenhum caso é considerado recomendação de investimento.

Leave a Reply